sábado, 24 de janeiro de 2009

Bimbala e a Cobra


Em 31 de maio de 2006, no leste da Índia, Atalla village, distrito Khurda de Orissa, Bimbala Das, 30 anos [em 2006], casou-se com uma cobra... macho

O noivo, que fez de um formigueiro o seu ninho, não esteve presente e foi representado por um símile de latão. Duas mil pessoas estiveram presentes na cerimônia, que durou mais de uma hora e foi celebrada por sacerdotes hindus. 

A noiva explicou que "Embora a cobra não possa falar ou entender nos comunicamos de modo particular. Sempre que coloco leite perto do formigueiro onde ele vive, ele sai para beber o leite. Ele nunca me atacou".

Tudo começou porque Bimbala Das, uma jovem de casta inferior, ficou muito doente. Sua família, que não tinha dinheiro para pagar tratamento e remédios pertence à seita Vaishnav, vegetarianos que pregam o amor aos animais. 

Então a cobra apareceu no formigueiro e a enferma passou a alimentá-la com leite. Curou-se e apaixonou-se pela serpente, que de uma das espécies mais venenosas da região e chega a medir 5 metros de comprimento [um cobrão!].

Quando a mulher confessou publicamente seu amor pelo réptil a notícia causou excitação em todo o vilarejo. Acreditam que o casamento trará sorte ao lugar. 

A mãe de Das e seus parentes ficaram felizes com a escolha da mulher e até construíram uma cabana próxima ao formigueiro onde Das vai morar. 

As serpentes, especialmente as Cobras-Rei, são veneradas na Índia porque são símbolos de sabedoria e poder, tanto no âmbito da semiótica religiosa como no plano das crenças populares.
[http://www.khaleejtimes.com/DisplayArticleNew.asp?xfile=data/subcontinent/2006/June/subcontinent_June56.xml&section=subcontinent]
In Khaleejtimes - publicado em 02/06/2006

Nenhum comentário:

Arquivo do blog