segunda-feira, 31 de agosto de 2009

O Celacanto do Rio Ganges



Calcutá, Índia ─ Paleontógos indianos estão em Calcutá, oeste de Bangala, depois que pescadores locais retiraram das água do rio Ganges um celacanto gigante [foto]. O celacanto é uma espécie de peixe pré-histórico, fóssil vivo, remontando o período Cretáceo [período da Era Mesozóica compreendido 145 a 65 milhões de anos atrás].

Durante décadas, conhecido somente através de fósseis muito antigos, o celacanto surpeendeu os cientistas quando um espécime vivo foi encontrado na costa leste da África do Sul, em 1938. Desde então, eles têm sido vistos em Comoros [União das Comores, uma república federal insular, compreende 3 das 4 ilhas do arquipélago das Comores, costa leste da África], Kênia, Tanzânia, Moçambique e Madagascar.

O espantoso neste celacanto retirado do Ganges são suas dimensões: 2,40 m de comprimento, 90 cm de largura, 320 quilos. O animal, que boiava no rio, assustou um grupo de crianças, que demoraram a perceber que o animal estava morto. O exame do cadáver mostrou que o peixe apresentando um corte no ventre, provavelmente foi capturado por pescadores mas, como é costume, foi devolvido ao mar, embora sem mais nenhuma expectativa de vida.

O celacanto é descartado porque sua pele exuda um óleo fétido em um processo que torna sua carne intragável e seu cheiro, insuportável. Para os cientistas o grande mistério é: como este inexplicavelmente gigantesco celacanto foi parar no rio Ganges.

Fonte: Prehistoric monster terrorises kids in the Ganges
In Austrian Times ─ publicado em 27/08/2009



Yeti na Polônia



+ YETI. A HISTÓRIA DE ZANA, 06/05/2012
[http://www.sofadasala.com/misterios/historiadezana.htm]




POLÔNIA ─ Especialistas na lendária criatura criptozoológica conhecida como Yeti [ou, ainda, Pé Grande, Abominável Homem das Neves] preparam uma expedição à Polônia. Seu destino: montanhas Tatra onde Piotr Kowalski, 27 anos, filmou a cabeludo e monstruoso humanóide.

Por centenas de anos as tradições locais relataram avistamentos deste Yeti polonês mas esta é a primeira vez que um desses espécimes teve sua existência capturada por uma câmera de filmagem, ou seja, em movimento.

Kowalky, que mora em Varsóvia, passava um feriado na montanha. Filmava um cabrito montês em uma escarpa de pedras quando, subitamente, o Yeti emergiu de uma falha entre as rochas: Eu vi essa gigantesca forma semelhante a um macaco se esgueirando na paisagem. o filme foi encaminhado para a perícia na Nautilus Fundation, com o objetivo de esclarecer o fenômeno.

O Presidente da Fundação, Robert Bernartowicz, adianta que: O filme mostra claramente alguma coisa que se move sobre duas pernas e que é maior que um homem normal de alta estatura. Porém a imagem é trêmula [nervosismo do cinegrafista] demais, o que dificulta determinar o que é exatamente aquela coisa sem uma análise mais cuidadosa

Também é necessário ir ao local, às montanhas Tatra, em busca de indícios, evidências e, quem sabe, uma oportunidade de registrar a imagem e a movimentação da criatura de maneira mais eficiente.

+ YETI. A HISTÓRIA DE ZANA, 06/05/2012
[http://www.sofadasala.com/misterios/historiadezana.htm]

Link relacionado: A Maldição das Yetis Almasty
Fonte: Polish Yeti caught on film
In Austrian Times ─ publicado em 28/08/2009

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Demonolatria: Religião do Medo




Em um estágio dos mais primitivos da religião, a adoração ou veneração ao Diabo [seus assemelhados, o mal] precedeu o culto a um Deus benevolente e moralizador, divindade do Bem. As divindades malignas aparecem como as personagens mais importantes no passado remoto de quase todos os sistemas de fé.

Demonolatria, cultos aos Diabos, são o primeiro estágio da evolução do pensamento religioso; porque os homens, muitos antes de pensarem em bênçãos, curvaram-se ao meio hostil. Os homens primitivos eram primitivos mas não eram insanos: temiam o Mal e não o Bem. Assim, era natural que buscassem técnicas apaziguadoras que evitassem os infortúnios provenientes de um mal cuja origem não podiam alcançar.

A Religião nasceu do medo. A religiosidade dos selvagens demonstra isso muito bem. O medo do mal é notável e, por isso, os primeiros esforços foram feitos no sentido de estabelecer uma relação amigável com os agentes do Mal, e não do Bem; porque o Bem não causa transtornos. A demonolatria existe hoje. Está nas manchetes policiais do mundo inteiro; e vai continuar existindo até que o senso comum do homem mediano perceba ou resgate o significado das palavras e a delicada relação ontológica entre o Bem, o Bom e o Belo.

DEMONOLATRIA: LEIA MATÉRIA COMPLETA



quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Google Earth: Monstro de Loch Ness



[+]  Link Relacionado  CORRIGIDO : Nessie, Ecos do Passado

ESCÓCIA ─ O Google Earth capturou a imagem de um ser-objeto não identificado em Loch Ness; especula-se que essa possa ser uma prova da existência do famoso monstro do Lago. O satétite do Google, fazendo uma varredura do Lago Ness, mostra uma formação que aparece luminosa e azulada com formato arredondado-oblongo e largo, dotada de prolongamentos que parecem ser membros de uma criatura viva. O objeto foi fotografado no centro do lago, próximo à cidade de Invermoriston.

Ao longo de décadas apareceram numerosas teorias sobre o monstro do Lago Ness, incluindo explicações prosaicas, como a confusão, a ilusão de ótica; os avistamentos seriam apenas enganos de quem observou animais comuns como pássaros ou troncos de árvores. Outros, acreditam que existe de fato uma criatura criptozoológica naquelas águas, como algum remanescente de dinossauro ou alguma espécie desconhecida e arcaica de mamífero aquático.

Conforme foram se aprimorando os recursos tecnológicos de pesquisa, o lago tem sido objeto de análises mais sofisticadas, com a utilização de sonares, câmeras de filmagem sub-aquática, pequenos submarinos-sondas, não tripulados. Enquanto algumas dessas explorações nada revelaram de incomum, outras obtiveram resultados positivos, como o registro de um sonar que captou a movimentação de algum tipo de ser de grandes proporções. Uma coisa é certa, se monstro existe e habita o Lago Ness, deve ser velhíssimo ou então, não é um, mas alguns, que se reproduzem naquele habitat. 

Link Relacionado  CORRIGIDO : Nessie, Ecos do Passado

Fonte: Has Google Earth captured image of Loch Ness Monster?
In STV - Scotland ─ publicado em 26/08/2009



sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Índia: A Maldição do 17º Dia


CHANDIGARH ─ Na Índia, mistério macabro em Amloh, uma pequena cidade empoeirada do distrito de Haryana Yamunagar. O lugar está sofrendo uma espécie de maldição macabra: uma pessoa morre ali a cada 17 dias, obedecendo a um inexplicável padrão que se repete há quatro meses.

Um medo pesado se alastrou e mudou os hábitos da população local: as pessoas estão praticando abstinência sexual e abstinência de álcool; também adotaram uma dieta rigorosamente vegetariana. Eles tentam se purificar para escapar da Maldição do 17º dia.

O prefeito distrital, Kuldeep Singh relata: Estamos aterrorizados! O mundo pode não acreditar nisso mas nós já perdemos cinco cidadãos perfeitamente saudáveis. Um indivíduo tem morrido, regularmente, a cada 17 dias. Talvez Kherha Devta [uma divindade] esteja insatisfeito conosco. Alguém pode ter feito alguma coisa muito errada trazendo para nós este infortúnio.

As mortes começaram em 13 de maio [2009]. A vítima, Ruliya Ram, 55 anos, foi encontrado morto em sua cama. Os vizinhos dizem que ele estava bem no dia anterior. Em 30 de maio, foi Sema Devi; essa se sentia adoentada pouco antes da morte. O terceiro defunto chamava-se Rahul e tinha 22 anos, em 16 de junho; depois, foi Dharma Pal, em 03 de julho.

Finalmente, [em 20 de julho], a quinta vítima, Raman Kumar, 19 anos, que convalescia de uma infecção respiratória sem muita importância, teve um colapso repentino, no meio de uma refeição; Kumar deixou cair o pescoço como um pássaro moribundo; foi socorrido pela família mas chegou morto ao hospital de Yamunanagar.

* Chandigarh: capital dos estados do Punjabe e de Haryana, noroeste da Índia.
Fonte: SAINI, Manveer. In this Haryana village, a death every 17 days
The Times Of India ─ publicado em 06/09/2009


Os Segredos Subterrâneos das Pirâmides de Gizé




Andrew Collins, 2009

EGITO ─ O pesquisador britânico Andrew Collins descobriu um enorme sistema de cavernas, câmaras e túneis no subsolo de pedra calcária, embaixo das pirâmides de Gizé. O achado está sendo identificado como o mundo subterrâneo perdido dos faraós.

É um sítio arqueológico intocado e um sistema ecológico desconhecido, habitat de morcegos e aranhas, as viúvas brancas. Collins vai divulgar as descobertas de sua equipe no livro Beneath the Pyramids, que será publicado em setembro deste ano [2009].

A pista que inspirou a investigação foi encontrada em um livro de memórias escrito pelo um diplomata inglês do século XIX, Henry Salt, que relata sua aventura, em 1817, acompanhado do explorador italiano Giovanni Caviglia. 

Eles chamaram sua descoberta de sistema de catacumbas subterrâneas. Henry Salt e seu companheiro percorreram centenas de jardas entre quatro grandes câmaras e passagens. Seguindo o roteiro encontrado no livro de H. Salt, Collins localizou a entrada das cavernas dentro de uma aparentemente ainda desconhecida tumba, a oeste da grande pirâmide [de Quéops].


Nós exploramos as cavernas até onde nos permitiu a qualidade do ar. É um lugar extremamente perigoso, repleto de fendas e buracos insuspeitados, verdadeiras armadilhas assombradas por colônias de morcegos e aranhas venenosas. Collins avalia que as cavernas, numerosas, estão lá há dezenas ou, talvez, centenas de milhares de anos.

Essas formações no subsolo podem ser a origem, no Egito Antigo, da crença em um mundo inferior, subterrâneo. Os textos funerários da Antiguidade egípcia aludem claramente à existância deste mundo desconhecido dos estudiosos atuais. De fato, no passado remoto Gizé era um local conhecido como Rostau, que significa mouth of the passages [boca ou entrada das passagens].

Enquanto isso, o chefe do Egypt's Supreme Concil of Antiquities, Zahi Hawass, nega a existência do complexo subterrâneo e afirma que: Não existem novas descobertas a serem feitas em Gizé. Nós sabemos tudo sobre o platô.

Todavia, a descobertas inesperadas na região das pirâmides e nas próprias pirâmides de Gizé têm sido profetizadas por clarividentes do passado e do presente [Edgar Cayce, por exemplo]

Mais recentemente, o menino Boriska, um das mais conhecidas crianças índigo-cristal [superiores, superdotadas] do planeta declarou que Gizé guarda histórias desconhecidas da civilização pós-moderna e que a chave do mistério será encontrada atrás de uma das orelhas da Esfinge. Meditemos e esperemos...

Fonte: LORENZI, Rossella. British explorer claims to have found the lost underworld of the pharaohs
In MSNBC ─ publicado em 14/08/2009




quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Paranormal do Mal



ITÁLIA ─ Há um ano [desde 2008] a polícia italiana está caçando um homem suspeito de roubar caixas de supermercados e bancos usando poderes hipnóticos. Em todos os casos, o dinheiro sumiu e a última coisa que os funcionários atordoados lembram é da aproximação do meliante e da suave e firme voz de comando: Olhe nos meus olhos. Depois, despertam com as gavetas vazias.

Em um dos incidentes, registrado por câmeras de segurança, ele aparece agindo em um banco em Ancona, norte do país. Depois do roubo, retira-se do local andando calmamente depois de receber da caixa cerca de 800 euros. A mulher não se lembra do acontecido.

O caso não é o único, nem o primeiro e nem o último. Ladrões hipnotizadores [ou seriam hipnotizadores ladrões?] ─ também foram noticiados na Rússia e na Inglaterra, por exemplo. A polícia italiana suspeita que este ladrão paranormal seja de nacionalidade indiana ou norte-africana. Bien, o Terceiro Mundo se vira como pode. Meditemos...

Fonte: 'Hypnotist' thief hunted in Italy
In News BBC ─ publicado em 22/03/2008


quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Cruel Reencarnação

 

NEPAL ─ Ele nasceu em janeiro deste ano [2009] em um vilarejo nas montanhas do Nepal. Portador mal-formação genética, o bebê, chamado Risab, é portador de de gêmeo parasita.

O irmão que não vingou, não tem cabeça mas compartilha o corpo de Risab que, afinal tem quatro braços e quatro pernas. 

Assim como outro casos semelhantes, o povo do vilarejo tem opinião dividida: alguns consideram o Risab uma bênção, reencarnação do deus Ganesha, [que tem quatro braços e uma tromba de elefante].

Esses adoradores de Ganesha, tanto pessoas do vilarejo bem como peregrinos, que vêm de longe prestar homenagens ao menino, levam oferendas: dinheiro, roupas , alimentos. Cerca de cinco mil pessoas já visitaram Risab.

Outros, acham a deformidade é sinal de uma maldição e razão do atraso das esperadas chuvas das monções; como o morador local Sher Bahadur Bodathorku, sacerdote hindu, disse abertamente que: 

Os fazendeiro não podem trabalhar a terra por causa desse bebê. É uma maldição de Deus por causa da vida passada da criança ou da mãe. Ele é a causa da seca prolongada.

Enquanto isso, os pais de Risab, Januk Ghimire, 32 anos, a mãe; e Rikhi Ghimire, o pai, lavradores e muito pobres, apesar de todas as crenças místicas, somente desejam tratamento médico adequado para o filho. 

Eles sabem que o garoto pode ter uma chance de vida normal se for submetido a uma cirurgia. Porém, 50 mil dólares é o custo do procedimento, quantia impensável para o casal.

A casa da família, na zona rural, a um dia de caminhada da cidade mais próxima, tem apenas um cômodo para abrigar o casal e os três filhos [incluindo Risab]. 

O parto foi ali mesmo, na varanda do bangalô. A mãe sofreu dores terríveis durante o parto, cheio de complicações anatômicas.

Durante a gestação, Januk Ghimire desconfiava de que algo não estava bem [mas muitos pobres neste mundo não têm direito a pré-natal]: a barriga tinha um relevo anormal e ela começou a ficar preocupada com o julgamento dos vizinhos. 

Muitos poderiam levar adiante a suspeita de que o bebê nasceu malformado porque a mãe seria uma bruxa e, entre Índia e Nepal, ser considerada bruxa pode significar uma condenação de morte ou suplícios em praça pública. A própria Ghimire, acredita em bruxas.

O CASO DO BIZARRO BEBÊ DO NEPAL

Esse episódio faz lembrar outros semelhantes registrados no mesmo país, onde a população tem um gosto mórbido [como em quase todas as culturas, aliás]. O caso ficou conhecido como O Bizarro Bebê do Nepal. A notícia, traduzida por este editor, foi publicada originalmente na revista eletrônica Sobrenatural.org:

 

O nascimento de um bebê com aparência bizarra, em Charikot, distrito de Dolakha - Nepal, na quarta-feira, 29 de março [2006], atraiu uma multidão de centenas de curiosos. O povo! queria ver o espantoso fenômeno. 

O bebê morreu meia hora depois de nascer e a notícia do translado do corpo, a fim de que se procedessem aos ritos funerários, provocou grande balbúrdia na turba que se aglomerou na porta do Gaurishnkar Hospital. O corpo foi exposto ao público em desfile pelas ruas da cidade.

A polícia foi chamada para evitar distúrbios. Filho do casal Nir Bahadur Karki e Suntali Karki, ele nasceu sem pescoço, sem testa e com olhos enormes que saltavam fora das órbitas. Uma enfermeira do hospital comentou que o caso é extremamente anormal. 

O bebê nasceu com dois quilos depois de uma gestação normal, de nove meses. O casal tem duas filhas normais e a mãe não sofreu de nenhuma enfermidade durante a gravidez. 

FONTESLANG, Olivia. Nepalis flock to see 'baby god'
In News BBC ─ publicado em 12/08/2009
[http://news.bbc.co.uk/2/hi/south_asia/8197192.stm]

MANANDHAR, Rajendra. Bizarre baby born
In DolakhaIn Kantipur Online ─ publicado em 29/03/2006
[http://www.kantipuronline.com/kolnews.php?&nid=69722]

sábado, 8 de agosto de 2009

Tesouros do Deserto de Gobi



MONGÓLIA: Raros tesouros budistas desaparecidos há mais de 70 anos estão sendo descobertos na Mongólia. As peças, históricas, foram escondidas das autoridades políticas nos anos de 1930, durante a repressão comunista no país. 

Na época, centenas de monastérios foram saqueados e destruídos. As relíquias incluem estátuas, artesanato, manuscritos e objetos pessoais pertencentes a um famoso mestre budista do século XIX [anos 1800] ─ Danzan Ravjaa ─ O Senhor do Gobi [imagem acima].

Por iniciativa de um monge chamado Tudev, 64 caixas foram enterradas no deserto. Tudev, que guardou o segredo da localização do tesouro por toda a vida passou a informação a seu neto, que deu início a uma escavação nos anos de 1990. 

As caixas começaram a aparecer; ele [o neto do monge] abriu um museu: o Danzan Ravjaa Museum, em Sainshand, 400 km ao sul da capital, Ulan Bator. Recentemente, uma equipe de pesquisadores encontrou mais duas caixas contendo espantosas obras de arte budista. Cerca de 20 caixas continuam ocultas nas areias do Gobi.

In BBC News publicado em 01/08/2009


sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Negócio da China: Vender Cadáver



Aconteceu em 2008. Em Guangdong [província ao sul da China] a polícia prendeu nove suspeitos de matar idosos e pessoas muito doentes para vender seus corpos. A mercadoria tinha destino certo: os cadávares servem como dublês de outros mortos. Serão cremados no lugar dos defuntos de famílias prósperas que, assim, desafiam a lei para manter a tradição do sepultamento garantindo um pós-mortem venturoso para seus entes queridos.

A prática foi detectada nas áreas rurais de Yanhmei, Nanxi, Puning e Jieyang. As vítimas eram escolhidas, seguidas, estranguladas ou envenenadas no momento oportuno e vendidas na rica e urbanizada região de Chaoshan. [Os assassinos evitam derramar o sangue porque resulta má sorte].

Em Guangdong a cremação é obrigatória porém isso contraria os costumes funerários, que seguem o ensinamento de Confúcio de enterrar os mortos e cuidar de suas sepulturas. É um dever filial. Por isso, os ricos cremam os dublês e enterram os parentes secretamente. O partido/governo comunista proibiu os enterros em muitos lugares da China por dois motivos: para não desperdiçar terras cultiváveis com cemitérios; acabar com as superstições.

A gangue agia usando um micro-ônibus para observar o produto em potencial; escolhia deliberadamente idosos e doentes mentais. Os cadáveres eram comercializados por 800 libras [cerca de 2.400 reais ou 10 mil yuans]. Moradores da região dizem que estes assassinatos vêm sendo praticados há vários anos e muitas pessoas desaparecem nas vilas. Mesmo as crianças podem ser alvo dos traficantes e por isso as famílias mantêm seus filhos sob vigilância e toque de recolher.

O comércio de cadáveres é, mesmo, um negócio da China! Em 2007, Song Tiantang, foi preso por vender mulheres que ele assassinava para vender os corpos: eram as noivas-cadáver, desinadas às macabras e tradicionais bodas com jovens mortos. Tiantang confessou que caçava, abatia e comerciava as defuntas desde 1998.

Link relacionado: Matrimônio Macabro

Fonte: MOORE, Malcolm.
Chinese police capture gang who killed grannies to sell bodies
In Telegraph/UK ─ publicado em 02/09/2008



Arquivo do blog