sábado, 12 de fevereiro de 2011

O Giro Mortal do Globo Terrestre



MUNDO - Os cientistas não apresentaram uma explicação; ainda. Mas o pólo magnético da Terra está mudando e desencadeando forças naturais indomáveis, a fúria dos elementos, como tem sido registrado, em diferentes lugares do mundo, desde o fim de 2010 e início de 2011.

Para alguns estudiosos, há evidências de que um ciclo de super-tempestades já começou. Tempestades como as que atingiram o Reino Unido em dezembro passado, a nevasca, muito intensa, na América do Norte e, ainda recentemente, as intempéries que castigam a Austrália: enchentes catastróficas e um furacão de categoria 5. Para muitos, tudo isso, talvez, seja o advento de uma nova Era Glacial.

Apesar das autoridades manterem um discurso de normalidade, o fato é que as proporções dos recentes desastres naturais são gigantescas. A nevasca no hemisfério norte afetou 150 milhões de pessoas somente nos Estados Unidos. O manto glacial estendeu-se, avançamdo para o sul por 2 mil milhas de território (pouco mais de 3 mil km), segundo dado apresentado no artigo Magnetic polar shifts causing massive global superstorms (T. Aym, 2011).

Na Austrália, o volume de chuvas sem precedentes históricos resultou em situações insólitas: tubarões nadando ao longo do eram/são ruas de cidades. Em seguida, veio o furioso Yasi, furacão com ventos espirais que alcançavam entre 200 mpg (milhas por hora, pouco mais de 300 km por hora), 22% mais rápido que um furacão da categoria 5.

O pesquisador, escritor e articulista Terrence Aym tem perspectivas sombrias: O Yassi pode ser apenas o comemeço de um futuro (período) de super-tempestades. Alguns pesquisadores do clima, que vêm acompanhando a aceleração na mudança do campo magnético do planeta, prevêm estas super-tempestades para futuro próximo...

Estarrecidas, autoridades australianas admitem que parte da água acumulada pela enchente pode, simplesmente, não se dissipar, mudando a paisagem, criando um pequeno mar interior.



Mas, o quê está acontecendo?

Segundo a pesquisa, a causa desta convulsão geológica é uma mudança no campo magnético do Sol que interage com a Terra. Essa interferência afeta não somente a magnetosfera do globo mas, também, sua oscilação, sua ionosfera, os padrões dos ventos na troposfera, a dinâmica do núcleo terrestre, as correntes marinhas, o clima em geral. Esté em pleno curso uma aceleração do deslocamento do centro magnético deste orbe. Atualmente, registra-se um deslocamento de 40 milhas para leste anualmente, na última década. A média até então era de cinco quilômetros anuais.

Já em 2007, o periódico The Economist publicava um artigo sobre este assunto tão inquietante e polêmico. Eis um trecho:


...Há um crescente corpo de evidências de que o campo magnético da Terra está preste a desaparecer; ao menos por algum tempo. O ciência histórica geológica ensina que uma alteração súbita neste campo magnético ocorre periodicamente. Os pólos invertem-se: norte vira sul e vice-versa. Tal mudança ocorre, em média, a cada 500 mil anos mas não há um padrão definido cientificamente. Inversões podem ter acontecido há cinquenta mil anos. Consta que a última inversão aconteceu a 780 mil anos atrás. Mas, o debate realizado no Greenland Space Science Symposium, realizado em Kangerlussuaq, concluiu: há sinais (já em 2007) de que outra inversão está (estava) próxima de acontecer.

FONTE: Panic stations! New theory behind climate change.
IN Pravda English - publicado em 07/02/2011.
[http://english.pravda.ru/science/earth/07-02-2011/116811-panic_storms-0/].



quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Para Escapar de Um Fim de Mundo


O fim dos tempos ou o fim deste tempo, desta Era, desta civilização, isso é uma lenda. Sempre será. A menos que um dia... aconteça. O fim de uma Humanidade jamais será noticiado. Apesar dos recentes desastres ambientais, da falência das sociedades e da política internacional, os porta-vozes do mundo continuarão afirmando que não está acontecendo nada. Porém, longe das câmeras, muita gente, atualmente pensa em uma catástrofe global, teme e até sente a proximidade de algo assim e quem pode, planeja e investe em alternativas de sobrevivência. ...E os ricos herdarão a Terra... Se ainda der tempo. Meditemos... (L.C.)



O Ark Hotel ou Arca-Hotel foi projetado para resistir a inundações súbitas, como as que podem ser causadas rápida e/ou inesperada por elevação do nível dos mares. No oceano, o Hotel-Arca pode manter seus hóspedes à salvo ainda que tenha de enfrentar maremotos.


INTERNACIONAL - Na Rússia, a empresa Remistudio, com o apoio da União Internacional dos Arquitetos dedica-se a um Programa Para Alívio de Desastres. A idéia não é original: como sempre, inspirados em Noé (ou Gilgamesh), os cientistas conceberam construir uma Arca. Todavia, é uma Arca muito mais sofisticada que a dos patriarcas antigos. É uma Biosfera gigante contendo um paraíso auto-suficiente para salvar a matriz de uma nova Humanidade, os sobreviventes de uma iminente catástrofe.






Resistente a inundações e maremotos, mesmo em terra firme, estacionadado, o hotel está preparado: sua estrutura de arcos e cabos foi concebida para enfrentar, também, terremotos. A energia é obtida através de painéis solares e turbinas eólicas. Toda a água de chuva que nele incide é cooptada por um sistema de armazenamento desta água. Um ecossistema reproduzido em estufa poderá sustentar uma exuberante vegetação, purificando o ar e fornecendo alimentos. A estrutura transparente permite grande economia de energia destinada à iluminação. Até a qualidade da luz será controlada por filtros.






Alexander Remizov, do Remistudio, que trabalha no projeto, explica: Nós temos duas preocupações arquitetônicas: primeiro, a de que o sistema de segurança e prevenção possam cancelar o impacto do advento de condições ambientais extremas, como as mudanças climáticas. A segunda (preocupação arquitetônica) é produzir e manter um ambiente natural e adequado para as atividades humanas.

E mais: A Arca é uma tentativa de responder aos desafios (e ameaças?...) do nosso tempo. O que se pretende é criar um sistema independente de suporte de vida. As plantas são escolhidas de acordo com a (demanda de) incidência de luz, compatibilidade e eficiência na produção de oxigênio além de ser um espaço atraente e confortável.


FONTE: ...Giant biosphere is a 'self-contained haven' in event of climate change flood disaster.
IN Daily Mail-UK publicado em 10/01/2011.
[http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-1345738/Ark-Hotel-Remistudio-biosphere-self-contained-haven-event-flood-disaster.html]



sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Avatar de Verdade




TEXAS, USA - Em Knox City, o adolescente Lyndon Baty, que sofre de grave deficiência imunológica causada por uma doença renal policística, passou a maior parte da vida em isolamento forçado, dentro de casa, para evitar a contaminação com micróbios e vírus que, se sendo praticamente inofensivos para a maioria das pessoas, para ele, são mortais.

Agora, o isolamento acabou. O corpo de Lyndon fica em casa mas sua percepção e sua mente ganharam novas e amplas fronteiras graças a um avatar. Trata-se de um robô feito de aço e cromo. Ele tem 4 pés de altura e possui uma tela de plasma exibindo o rosto de Lynton em tempo real. Utilizando tecnologia de video-conferência o avatar vai para a escola e ali propicia ao jovem a interação com os colegas e sua presença virtual nas salas de aulas, pátios, jardins, cantina, corredores.





O avatar trouxe um ânimo renovado para o garoto: vontade de levantar pela manhã, tomar seus remédios, comer. Depois ele espera a sirene da escola tocar chamando para mais um dia de aula. Lyndon declarou em entrevista: Meus melhores amigos eram meus pais... Mas sem querer ofendê-los, eu queria outros amigos.

O robô é uma unidade Vgo que custa pouco mais de cinco mil dólares. Sua bateria tem autonomia de 8 horas ininterruptas. Equipado com uma câmera, alto-falantes e microfone, o avatar permite a Lyndon conectar-se remotamente, de casa, usando seu computador pessoal.

Além de possibilitar que crianças em idade escolar frequentem a escola remotamente, o Vgo também pode trabalhar como inspetor de produção em indústrias, avatar visitante/acompanhante virtual para enfermos em hospitais ou, ainda, em universidades, substituindo a presença física de professores entre outras aplicações.

FONTE: 'Bubble boy' forced to live in isolation sends avatar to school.
IN Daily Mail-UK - publicado em 04/02/2011
[http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-1353685/Lyndon-Baty-sends-avatar-school.html].



O Quarto do Ventre



ILHAS CANÁRIAS - No Gran Canaria Costa Meloneras resort, foi criado um aponsento que é denominado O Quarto do Ventre. Um ambiente que, utilizando diferentes recursos, propõe recriar a viagem da vida a partir de onde tudo começa: o útero.

A entrada deste salão ou o colo do útero, é uma passagem estreita forrada com um tecido atapetado cor-de-rosa. O local de tratamento propriamente dito, também é revestido daquele material, também em cor rosa mas entremeada com um tecido vermelho. Este tecido vermelho é disposto na forma de uma bolsa cônica cuja extremidade, na parte superior, gira lentamente simulando a função do cordão umbilical. No caso, é um cordão umbilical gigante.

O Quarto do Ventre, naturalmente, tem uma iluminação muito suave, quase escuridão, em tom de vermelho-sangue porque o quarto, em última instância, é a bolsa aminiótica. A música de fundo reproduz um som de respiração: é o som do útero.


FONTE: Canary Island spa recreates life in the womb.
IN Telegraph, UK - publicado em 02/02/2011
[http://www.telegraph.co.uk/travel/weird-wide-world/8299224/Canary-Island-spa-recreates-life-in-the-womb.html].



quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Inexplicável Mundo Frio



A face da Terra

PLANETA TERRA - A imagem parece representar a face da Terra durante uma remota Era Glacial. Porém, esta é situação térmica do planeta atualmente: metade do Hemisfério Norte tomado por uma coberta de gelo. Essa visão foi obtida com a utilização de vários satélites de agências governamentais e da Força Aérea norte-americana, em uma iniciativa Associação Nacional Oceânica e Atmosférica NOAA - durante uma recente tempestade de invernal que atingiu a América do Norte.




Ciudad Juarez, México.

O frio está avançando e já alcançou a lugares distantes dessa realidade branca, como o estado do Texas e o norte do México onde, nestes primeiros dias fevereiro (2011) são esperadas temperaturas de até 15 graus negativos.



Chicago: carros abandonados


Nos Estados Unidos, as pessoas estão preferindo ficar em casa a se aventurar nas ruas tão frias. Em Chigago, as precipitações de neve chegam a 20 polegadas (ou - 50,8 cm, pouco mais de meio metro) de espessura. Com isso, escolas ficaram oficialmente fechadas pela primeira vez nos últimos 12 anos. Em Oklahoma, o jornal Tulsa, deixou de publicar sua edição impressa, algo que jamais aconteceu em mais de um século de existência do periódico.




Zao Onsen resort, Japão

A imagem do NOAA mostra como o clima está afetando a Escócia, Alemanha, Itália e, ainda, Grécia, Irã, Turquia, regiões do norte da Índia e da China. Al Gore, escrevendo em seu blog, Al's Journal, defende sua afirmação de que o aquecimento global é a causa desta Era Glacial atual:

Como se vê, a comunidade científica, que tem abordado esta questão há algum tempo, agora, explica que o essas intensas nevascas são completamente consistentes com a teoria de que o aquecimento global provocado por ação humana é o agente provocador dessa forte onda de frio.

O fato, porém, é que entre especulações e mea culpa, cientistas e ambientalistas não sabem, realmente, o por quê das últimas variações radicais de temperatura e e das grandes catástrofes naturais verificadas recentemente e que parecem multiplicar-se a cada dia. O próprio Al Gore e outros pesquisadores, há pouco tempo diziam que o aquecimento global, provocado pelo homem, resultaria na elevação das temperaturas e desertificação de significativas áreas verdes.





China

O que está ocorrendo, todavia, não foi previsto por nenhum cientista. Ao invés da elevação da temperatura, o que se verifica são radicais mudanças dos padrões de temperatura em diferentes regiões do mundo. O mesmo se aplica (radicais mudanças) aos regimes de chuvas, no comportamento dos ventos e das marés, na ordem, número, definição e duração das estações do ano como eram conhecidas há séculos.

FONTE: World of two halves! Map shows most of Northern Hemisphere is covered in snow and ice.
IN Daily Mail publicado em 03/02/2011
[http://www.dailymail.co.uk/news/article-1353073/Winter-storm-Map-shows-Northern-Hemisphere-covered-snow-ice.html]



O "Sangue" da Geleira



ANTÁRTICA - A foto mostra a Bloody Falls, a Catarata de Sangue. Localizada na chamada geleira Taylor, há dois milhões de anos atrás, um pequeno reservatório, um bolha d'água ficou aprisionada nas entranhas da camada de gelo. Ali, isolados, sobreviveram e proliferaram micróbios. Formaram uma colônia.

Este pequeno aglomerado de tão persistente forma de vida, passou os milînios sem qualquer exposição à luz do Sol, oxigênio, fonte de calor. Mais recentemente, com o advento do fenômeno de aquecimento global boa parte das geleiras da Antártica derreteram e acabaram por abrir uma janela para que, finalmente, este microorganismos retomassem contato com o mundo além da velha ilha-bolha de água cercada de gelo

A água aprisionada, ao fluir para o meio ambiente ao ar livre, mostra-se como um líquido espumante e, sua cor sanguínea deve-se à intensa concentração de ferro no citoplasma dos microorganismos. Estes estranhos seres invisíveis, estes micróbios, são de um tipo que não poderia subsistir em nenhum outro lugar do planeta e são mais uma prova de a vida pode se manifestar ainda que seja nos mais hostis ambientes que o homem possa imaginar. Meditemos...

FONTE: The earth shall bleed.
IN Cracked - publicado em 02/01/2011
[http://www.cracked.com/blog/8-real-photographs-that-prove-hell-exists-earth_p1]



quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Os Corvos



"Nos fios tensos, da pauta de metal..." * uma congregação de corvos. Em Caldecote, Cambridgeshire - UK. Veja a foto ampliada na página de origem ou clique na imagem acima.

FONTE: [http://www.dailymail.co.uk/news/article-1352583/Starlings-delight-residents-awe-inspiring-giant-cobra-aerial-display.html]
* Parte de um verso de Cassiano Ricardo, música do grupo Secos e Molhados: Nos fios tensos, da pauta de matal, as andorinhas gritam, por falta de uma clave de Sol...


Uma Cobra Gigante nos Céus


UK - Bandos de estorninhos que migram nesta época do ano, passando pelo Reino Unido, são bastante conhecidos por suas incríveis formações aéreas. 

Os pássaros movimentam-se em uma coordenação tão perfeita que cientistas, intrigados, há anos estudam como estes animais conseguem este tipo de interação mútua. 

No primeiro dia deste mês de fevereiro (2011), um desses bandos surpreendeu os moradores de Taunton, no condado de Somerset delineando nos céus, em pleno voo, a figura de uma cobra gigante.

O fenômeno, conhecido como murmation ocorre geralmente durante o crepúsculo. As misteriosas formações resultam do instinto de sobrevivência. A revoada protege o bando que se fortalece pelo grande número de indivíduos reunidos.

FONTE: Watch out, there's a giant cobra about! Thousands of starlings delight residents with an awe-inspiring aerial display.
IN Daily Mail, UK - publicado em 02/02/2011
[http://www.dailymail.co.uk/news/article-1352583/Starlings-delight-residents-awe-inspiring-giant-cobra-aerial-display.html]

Chimpanzés – Sofrimento Humano na Consciência da Morte


O Chimfunshi Wildlife Orphanage é um famoso orfanato e
santuário para Chimpanzés, a única instituição do tipo no
mundo, localizado na Copperbelt province, no Zâmbia – África.


ZAMBIA, Africa – No orfanato e santuário de chimpanzés de Chimfunshi, cientistas do Max Plank Institute for Psycholinguistics (sediado na Holanda) e da Gonzaga University, de Whashington (USA) comprovaram que chimpanzés não somente têm consciência da morte de seus semelhantes como, também, possuem uma cultura, um padrão comportamental diante da finitude da vida em relação a seus entes queridos falecidos. Os pesquisadores, Drª Katherine Cronin, Edwin Leeuwen, Mark Bodamer e Innocent Chitalu Mulenga, conseguiram registrar os procedimentosde luto dos animais em uma sequência de vídeo.

Resultado de longo tempo de observação, é uma descoberta surpreendente porque uma das características sempre apontadas como distintiva, peculiar aos seres humanos é, o sentimento da perda diante da morte, o luto, a cultura. As mães chimpanzés têm um longo tempo, em termos de vida animal, para estabelecer laços íntimos com seus filhos. Amamentam-nos até os dois anos e acompanham seu desenvolvimento até os seis. Mas a relação afetiva se estabelece bem cedo.

A sequência filmada pelos cientistas que trabalham no santuário de Chimfunshi, um registro inédito, mostra uma chimpanzé em pleno processo ou experiência de luto por seu bebê, morto com apenas 16 meses de idade.

Em um primeiro momento, a fêmea demora a se convencer que o bebê morreu. Ela o carrega por mais de 24 horas até que, enfim, resolve colocá-lo no chão. Ela faz isso com ternura. Mas ainda não está certa da morte do filho e permanece cercando o corpo, tocando-lhe o rosto e o pescoço com os dedos para certificar-se da verdade: tudo indica que não há mais vida no macaquinho.

Porém, ela ainda duvida e leva o corpo para outros chimpazés da comunidade ou bando. Ela parece querer uma segunda opinião e demora-se, ainda um tanto, para aceitar o fato. Somente no dia seguinte o corpo foi, finalmente, abandonado. Aparentemente, aquela fêmea havia, naquela situação, aprendido sua primeira e definitiva lição sobre a vida: a irremediável morte e seu mais freqüente companheiro, o sofrimento dos vivos.





Por quê a mãe carraga o filho morto por dias ou semanas? Primeiro, ela jamais abandonaria um filhote vivo. Ela precisa ter certeza de que não há mais vida naquele ser. A fêmea somente abandona o filhote quando certifica-se de que a vivacidade não retorna àquele corpo mesmo com o passar de até muitos dias.

Ela sabe que o filhote, de algum modo, ainda que imcompreensível, não está mais ali. Finalmente a chimpanzé se convence de algo mudou e não mais confunde o morto com o vivo; não mais reconhece a presença da cria na massa inerte. E assim os chimps aprendem e sentem o quê é a morte.

Drª Katherine Cronin comenta a pesquisa: Os vídeos são extremamente valiosos porque questionam a verdadeira dimensão da mentalidade desses primatas e fornecem indicações do que (realmente) se passa na mente deles. Relatórios anteriores documentaram mães que carregaram seus filhotes mortos durante dias ou mesmo semanas, mostrando a força do vínculo entre a mãe e filho.

A pesquisa reafirma um estreita proximidade entre os humanos e determinadas espécies de macacos. Os chimpanzés alguns dos mais próximos parentes do homo sapiens. Eles são capazes de produzir uma resignificação de objetos, diferentes materiais, como fragmentos de madeira, pedras, conchas, cabaças etc., que escolhem e passam a usar como ferramentas no dia-a-dia; também conseguem organizar-se em grupos de caça e executar ações planejadas com antecedência. Além disso, o chimpanzé é um dos poucos animais da fauna terrena capaz de reconhecer a si mesmo em um espelho e, ainda, tendo consciência de que a imagem contemplada é apenas um reflexo

FONTE: A mother's grief: The startling images which show how chimpanzees mourn their dead just like humans.
IN DAILY MAIL, UK - publicado em 31/01/2011
[http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-1352119/Chimpanzees-mourn-dead-children-just-like-humans.html].



Arquivo do blog