quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Ray Rong - O Menino Santo Que Cura Doentes no Camboja


Ray Rong, 3 anos (setembro, 2012), abençoa garrafas de águas, ervas e outros remédios na aldeia de Svai Chrum. Foto: Heng Chioan/Phnom Penh Post. 

O Camboja ou Reino do Camboja, cuja capital é Phnom Penh, é um país famoso por abrigar as misteriosas ruínas de Angkor que, um dia, foram o centro do império cambojano. 

Com uma população de mais de 14 milhões de habitantes (em 2008), o idioma oficial é o khmer mas, como herança de períodos coloniais existem grupos que falam o francês, o chinês e o vietnamita. 

Ali, a religião predominante é o budismo teravada ou "Ensino dos Sábios" e - ainda, "Doutrina dos Anciões", a mais antiga escola da doutrina dos Budas, os Iluminados da Ásia. Portanto, a benção de Ray Rong é uma benção budista.


CAMBOJA. Na província de Svay Rieng (sul do Camboja), na pequena aldeia de Svay Chrum - centenas de pessoas provenientes de diferentes cidades e províncias reúnem-se, fazem fila para esperar o atendimento do pequeno Ray Rong, 3 anos (em setembro de 2012).

O garoto, terceiro filho de cinco de um casal de pobres agricultores, Saray Tep e Saroeurn Un, atualmente é conhecido como um dos mais eficientes curadores (ou curandeiros) do país. Ele abençoa água e receita medicação fitoterapeutica para exterminar doenças variadas.

Todos os dias, cerca de 200 pacientes, alguns vindos do país vizinho, o Vietnam, esperam do lado de fora da casa desta criança na esperança de serem curados de suas moléstias. Vários desses peregrinos viajam centenas de quilômetros para chegar até ali e muitas vezes dormem na porta da residência.


Hom Yay, 60 anos (2012) - um dos pacientes, levou incenso, velas, bolo e água potável como oferenda para o pequeno, que já considerado santo.

Hom Yay fala do seu caso: Eu tenho sofrido com o diabetes há 10 anos. Meu nível de açúcar no sangue nunca era inferior a 410 mg (o nível normal varia entre 70 e 180 mg por decilitro ou dl). Eu tomava remédios e ía aos médicos mas nunca melhorava. Depois que essa criança santa me deu a água mágica para beber e alguns frutos de figo meu nível de açucar caiu para 110 mg/dl.


Srey Sokhon, uma mulher, alugou uma casa próxima ao local de atendimento por quatro noites enquanto esperava sua vez de ver o garoto. Ela tem esperança de que a água recebida e uma receita de ervas medicinais prescrita por Ray Rong vai ajudar a curar a doença de consiste em uma condição que deixava seu corpo todo dormente e prejudicava sua rotina de alimentação. Srey Sokhon diz que sente-se melhor e já consegue comer normalmente.

Mas nem todos têm conseguido uma consulta. Recentemente, os consulentes foram informados que o santo está doente! Por isso, os pacientes têm de esperar. Na verdade, a família suspendeu as as visitas, preocupada com o esgotamento físico ao qual vem sendo submetido o menino.

De fato, os familiares de Ray Rong também não estão satisfeitos. Eles têm sido intensamente assediados por repórteres de jornais e canais de televisão. O avô do menino, Yorm Yum, lembra como tudo começou: há pouco tempo atrás, sua filha mais velha (tia de Ray Rong) padecia de uma dor insuportável; ela chegou a pensar em suicídio. 

Na época, Rong, que estava começando a a aprender a falar, disse que ia procurar o remédio para curar a tia e saiu correndo de casa. Chegando a determinado local apontou o dedo para uma planta estranha e selvagem. A família colheu a planta, secou-a sob o sol e preparou uma infusão, um chá. A tia bebeu e as dores desapareceram.  

O pai de Rong era alcoólatra. O filho ofereceu-lhe um pouco de água e desde então o homem abandonou o vício. A notícia destes dois prodígios espalhou-se rapidamente e assim começaram as romarias até a casa humilde do povoado. 

Isso aconteceu há dois meses. Desde então ...umas 3 mil pessoas já vieram vê-lo. Todos afirmam que recuperam-se de suas enfermidades... informa o avô de Ray Rong. 

Mas Yorm Yum está preocupado com a segurança e a saúde do neto, que - os parentes percebem, está sendo prejudicada pela intensidade dos atendimentos. Ele é só uma criança e já não tem tempo de descansar. Decidimos interromper essa atividade. Agora os pacientes que o procuram estão recebendo somente a água abençoada pelo pequeno.

FONTE: VUTHY, Sou. Three-year old revered as healer.
PHNOM PENH POST/CANBOJA, publicado em 14/09/2012.
[http://www.phnompenhpost.com/7days/1615-three-year-old-revered-as-healer]

Nenhum comentário:

Arquivo do blog