quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Dalai Lama: Escolhendo a Próxima Vida


Tenzin Gyatso - O Dalai Lama, menino...


"Dalai" significa "Oceano" em língua mongol que traduzida para o tibetano é "Gyatso". "Lama", significa guru, em sua tradução do sânscrito ou "mestre espiritual". Assim, "Dalai Lama" é o mesmo que "Mestre Oceano" referência a uma espiritualidade profunda como um oceano. [Um dos discípulos prediletos do Buda Sakyamuni chamava-se "Oceano de Beleza"].


Na hierarquia da liderança religiosa budista, a autoridade primeira é o Dalai Lama (Tenzin Gyatso, do Tibete); o "número dois" é o Panchen Lama (da China). Uma das atribuições do Dalai Lama é ajudar a identificar, com ajuda de sonhos e visões, a próxima reencarnação do Panchen Lama e vice-versa, posto que a sucessão destes líderes religiosos se faz pela reencarnação ao longo das eras. É o mesmo espírito, o mesmo mestre, que retorna em novo corpo.



Entretanto, o sistema sucessório budista tem uma terceira opção: existe um terceiro Lama na hierarquia dos líderes. Trata-se do 17º Karmapa,atualmente, Gyalwa Karmapa Trinley Thaye Dorje, do Tibete, da escola Karma Kagyu, que está apto a reconhecer as reencarnações tanto do Dalai Lama [tibetano] quanto do Panchen Lama [chinês]. O atual Karmapa ou Lama tibetano ainda tem a vantagem de ser uma autoridade aceita e respeitada tanto no Tibete quanto na China.



A busca pelo atual Dalai Lama começou no início do ano de 1935 quando a cabeça embalsamada de seu predecessor caiu e rolou até parar com a face apontada para o nordeste do Tibete. Depois, um fungo gigante tomou a forma de uma estrela enquanto crescia, durante uma única noite, no lado leste da sepultura do Lama morto. E os auspícios continuaram durante dois anos: um membro do conselho dos sacerdotes viu uma inscrição em uma massa de nuvens. As letras flutuavam sobre um lago místico indicando o noroeste da província de Amdo.

Os lamas superiores, então, partiram a galope para naquela direção e, em um vilarejo distante, encontraram um menino de dois anos [Tenzin Gyatso, nascido Lhamo Döndrub, hoje, o 14º Dalai Lama]. Essa criança, depois de ser submetida a uma série de testes, foi reconhecida como a reencarnação do Dalai Lama. Agora, próximo dos 74 anos, [pois nasceu em 06 de julho de 1935, ano do primeiro sinal], o Dalai Lama e seus seguidores estão novamente preocupados com a sucessão. O conflito político com a China cria uma situação extremamente difícil para a continuidade da tradição do budismo tibetano.

No fim de 2008, o governo chinês recusou, novamente, uma proposta de acordo do Dalai Lama, acordo que pudesse garantir maior autonomia para o Tibete. Recentemente, tropas chinesas invadiram milhares de residências tibetanas, uma operação de "batida", inspeção. Milhares de casas! Para prender 81 "ativistas" que estariam à frente de possíveis manifestações, em março, no aniversário dos 50 anos da rebelião que culminou, [em 1959], com a fuga e auto-exílio do Dalai Lama na Índia. A China parece firme em seu propósito de consolidar soberania sobre o território tibetano e, apesar de ser um Estado oficialmente ateísta, reivindica o direito de designar a legalidade da próxima reencarnação do Mestre!

No outono de 2008, quando representantes do Parlamento tibetano se reuniram em Dharamsala, nos Himalayas indianos, a preocupação maior com a futura sucessão do Dalai Lama ecoava nos corredores. Uns poucos defenderam a militância da resistência por um Tibete independente. A maioria, porém, prefere seguir o conselho do Dalai Lama que, coerente com a doutrina religiosa que representa, insiste que seja encontrado uma solução completamente pacífica. Mas uma questão permanece sem resposta: por quanto tempo, ainda, os tibetanos poderão contar com a sabedoria e o carisma de seu líder espiritual?

O próprio Dalai Lama tem especulado abertamente sobre sua próxima vida, reencarnação e considera a possibilidade de a prática histórica e cultural de escolher [ele mesmo, no post mortem, no estado de Bardo] seu próximo veículo terreno, sua reencarnação, de modo a poder continuar resguardando os interesses do povo tibetano. Nesse contexto, as dúvidas emergem. É uma situação inédita no budismo tibetano.

Seria possível, mesmo para um espírito evoluído como Dalai Lama escolher, em vida, sua próxima reencarnação? Se isso puder ser feito, será aberta uma exceção histórica e "sobrenatural", posto será dispensável a tradicional busca pelo Lama reencarnado, quando os sacerdotes ficam atentos aos presságios, prodígios e sinais meteorológicos que sempre legitimaram a identidade do sucessor.

Quando o Dalai Lama fugiu de seu país, fazendo longo percurso a pé e a cavalo, escapando das garras do domínio chinês, embora oficialmente exilado na Índia, ele iniciou uma "peregrinação", visitando numerosos países, divulgando com empenho a situação do Tibete, ameaçado de ser culturalmente chacinado pelo governo chinês. Os frutos desse trabalho são preciosos: muitos centros de cultura tibetana foram criados em todo o mundo e as bandeiras ostentando orações tibetanas estão espalhadas de Delhi a Londres, Zurique, Nova Iorque. A cultura do Tibete é celebrada em Hollywood e na arte popular. Os exilados são cerca de 130 pessoas enquanto seis milhões de tibetanos vivem no Tibete e na China.

Todavia, o futuro do Tibete pode ser bem sombrio. Com a morte do Dalai Lama, ainda que sua reencarnação seja conhecida previamente, ele , sucedendo a si mesmo será ainda demasiado jovem, cercado de desconfianças e desprovido do prestígio conquistado na vida presente. O Mestre Oceano reencarnado terá de refazer todo o árduo caminho de conquista de influência nas câmaras do poder. Será um período de transição que, certamente os chineses aproveitarão para engolir o Tibete budista transformando seu povo em uma horda de pessoas destituídas de suas referências culturais, perdidas na sombra imposta pelo poderio do Estado chinês. Será como um rebanho sem pastor porque o Mestre é símbolo poderoso de unificação.

O Dalai Lama, prêmio Nobel da Paz, não é um líder teocrático clássico. Porque sempre soube separar o poder religioso do poder político como diferentes esferas do interesse público. Se o povo tibetano recuperasse a soberania do país, o Dalai diz que deverá ser eleito um parlamento e um primeiro ministro para o exercício das funções executiva, legislativa e regulação do judiciário. O Dalai Lama deixa claro que sua posição é de líder unicamente no âmbito religioso.

Ainda sobre a sucessão, quando morre o Dalai Lama, um conselho "real" [sacerdotal] aponta um regente até que a reencarnação do líder seja descoberta/revelada e a criança atinja a idade e o preparo necessários para assumir seu posto. Através dos séculos, evidentemente, nem todos os regentes atuaram com correção. Muitos, tomados de gosto pelo poder, não lamentaram as mortes prematuras de seus tutelados, muitas vezes, mortos em circunstâncias suspeitas. Assim, o período regencial, no Tibete, é potencialmente perigoso, especialmente par o Dalai Lama ainda infante, ainda frágil, em sua nova encarnação.

Na situação normal, o jovem Dalai, poderia surgir renascido como uma menina, no Tibete ou em qualquer outro país. Todavia, os chineses estão forçando uma outra estratégia e o Dalai Lama não hesita em aventar a possibilidade de escolher sua próxima vida ainda nesta vida. O processo passa pela identificação de um jovem lama que será o regente durante a transição, do renascimento e desenvolvimento do futuro Mestre. Quando Tenzin Gyatso morrer e reencarnar, o regente confiável deverá conduzir a identificação da criança [Dalai reencarnado] através dos métodos tradicionais: augúrios, prodígios, sinais da Natureza.


A política chinesa não hesita em usar a força [bruta] para desafiar o mistério metafísico da reencarnação. Quando questionado sobre o imperialismo contra o Tibete, o governo chinês alega que seus exércitos libertaram os tibetanos de uma escravidão teocrática, que o Tibete é inseparável da China e, ao que tudo indica não há esperança de recuo dessa posição. Em 1995, as autoridades chinesas não reconheceram a reencarnação do Panchen Lama [os lamas mestres são três], identificado pelo Dalai Lama em um garoto de 6 anos de idade [em 1995]. E foram além: escolheram outro "reencarnado oficial" e deram sumiço no menino identificado pelo Mestre Oceano.

A atitude é extravagante para um Estado que renega dogmas religiosos de qualquer espécie em uma China onde a propagação de qualquer religião é ilegal. Os exilados estão apreensivos: o tempo está passando e Mestre envelhece. Muitos estão atentos a presságios que revelem alguma coisa sobre um futuro retorno à pátria. Eles sabem que se ficarem sem o seu líder espiritual correm o risco de serem culturalmente sepultados pela força das armas chinesas.


LINKS RELACIONADOS:


POWELL, Michael. IN N.Y. Times publicado em 31/01/2009


Nenhum comentário:

Arquivo do blog