sábado, 21 de março de 2009

Jesus Nasceu na Ucrânia!



O Jesus da reconstrução forense, manchete mundial em 2001, cara de parente do presidente Lula [Brasil, 2009]. A Virgem Maria e o menino Jesus, chineses. Esq.: Jesus negro e rastafari.

Mais de dois mil anos se passaram desde que as sementes do cristianismo foram lançadas na Judéia e, até hoje, Jesus Cristo é, provavelmente, a personagem histórica mais polêmica de todos os tempos. 


Sobre ele, milhares de livros foram escritos, sua biografia é questionada em numerosas hipóteses e dele já disseram que não era judeu; que sobreviveu à crucificação porque era um iogue e terminou seus dias em Srinagar, Índia; ou que teria migrado e morrido no Japão!

Que seu pai era um soldado romano-alemão! Que era negro; que encarnou na América pré-colombiana como Quetzalcoalt; que encarnou na Etiópia como Haile Selassiê, ídolo dos rastafaris; que vive hoje, no Brasil [nascido em Indaial, Santa Catarina, 1948]! e tem site na internet [INRI CRISTO, O Emissário do Pai]; ou que vive na Rússia, e também este Cristo russo tem site na internet e, finalmente, há os que tentam provar que ele nunca existiu!

Não é o bastante para a fome de um Cristo, um Salvador, que se alastra em todo o planeta. Agora, o cientista político ucraniano Valery Bebik anuncia: Jesus Cristo era ucraniano! E também Sidarta Gautama ─ o Buda Sakyamuni ─ e os antepassados mais remotos dos egípicios. Todos ucranianos! Em artigo publicado no jornal The Voice of Ukraine, Bebik expõe sua teoria:


É completamente possível que Buda tenha pertencido à nação dos Budins, na Cítia, um povo que viveu no território da Antiga Ucrânia entre os séculos I e II antes de Cristo. O designação Budin ainda existe, preservada em alguns povoados do país, como Seredina-Buda. Do ponto de vista étnico, Buda [Sidarta Gautama] era um ariano cítio, um membro da tribo dos Budin. Os descendentes desta tribo ainda existem nas regiões de Sumsky e Chernigov, na Ucrânia e nas terras vizinhas da Bielorrússia e Rússia.

O pesquisador pretende provar que a Ucrânia tem um papel histórico extraordinário e não reconhecido: forneceu à Humanidade personalidades que propiciaram a iluminação espiritual ─ profetas, filósofos e líderes religiosos de projeção mundial. Além disso, Bebik reivindica para a Ucrânia a origem de grandes civilizações: Egito e Grécia. Ele explica ou tenta explicar:
O nome do maior templo egípcio, Het-ka-Ptah [Casa da Alma de Ptah] tem uma fonética muito semelhante às palavras ucranianas hata e ptaha, que significam, respectivamente, "casa" e pássaro" ─ sendo "pássaro" uma alegoria para"alma". As pinturas nas pirâmides egípcias mostram rainhas louras! de olhos azuis! ─ como as mulheres ucranianas. [Este editor tem de olhar de novo e com lente de aumento essas tais pinturas egípcias. Vou buscar minha enciclopédia ilustrada!]. Nestas pinturas, também se encontram representações do tridente [símbolo do rei atlante e divindade grega dos mares, Poseidon]; e o tridente é um símbolo nacional ucraniano.
[E daí? O tridente também é associado ao diabo e nem por isso alguém vai achar que a Ucrânia é uma sucursal do inferno].

O cientista acrescenta, ainda, para reforçar sua teoria, que as datas bíblicas, isso incluindo os Evangelhos, são altamente questionáveis e defende que Jesus viveu 3 mil anos antes do que consta nos textos canônicos, falava idioma copta, língua próxima daquela falada pelos ucranianos antigos.

Francamente, esse senhor Bebik "forçou a mão" em sua patriótica tentativa de valorizar sua nação. A teoria não tem, de fato, suporte de comprovação científica em nenhum dos pontos que defende: as rainhas egípcias louras, este editor ainda está procurando e a questão da língua é mais nebulosa ainda.

Quanto ao tridente, é um signo que pertence a essa misteriosa cultura religiosa global que compartilha mitos. Aparece representado em peças arqueológicas de diferentes épocas e povos.

Para os magos ocidentais,o tridente é um objeto/figura canalizadora de poderes mágicos. Nas palavras do ocultista francês Eliphas Levi:

"[Paracelso substituía a baqueta mágica por um tridente] ...O tridente de Paracelso é um pentáculo que exprime o resumo do ternário na unidade... Ele atribuía a essa figura todas as virtudes que os cabalistas hebreus atribuem ao nome Jeová..." [LEVI, Dogma e Ritual da Alta Magia. Pensamento: 1993 - p 260].

O certo é que nos últimos cem anos, mais ou menos, o nível de desespero existencial vem se adensando na atmosfera desta civilização. Uma espécie de falência espiritual, religiosa, ontológica, está angustiando, embrutecendo e enlouquecendo a Humanidade. O desgaste do Vaticano, o crescimento das denominações evangélicas e desta "religião" maldita que é o islamismo são sintomas da alma doente do homo sapiens na pós-modernidade.

Em todo o globo, multidões clamam por Jesus diante das placas e das telas de televisão dos mais estranhos "templos", todos reivindicando para si a legitimidade de falar e fazer em nome do meigo Rabi. Como se Jesus Cristo fosse complexo e precisasse de tantos "facilitadores" para "traduzir" sua doutrina.

É muito simples: esse editor não sabe que parte de "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo" esta Humanidade de malditos hipócritas, covardes e preguiçosos [NÓS, NÓS MESMOS!] não entendeu... A prática, de fato, é difícil; mas a doutrina é muito singela. Trata-se de uma refinada combinação de muita coragem com humildade, desapego e compaixão.

Eis, então, que os historiadores procuram Jesus na Índia, no Japão, na Ucrânia; os antropólogos querem descobrir como era a cara dele; outros, ainda, pretendem esclarecer se transou ou não transou com uma tal de Maria Madalena ou a que etnia ele pertencia. Até parece que essas informações têm alguma importância prática. Enquanto isso, ecoam as palavras dos Evangelhos que, na verdade, pouco importa quem escreveu. Importa que as palavras permaneceram e profetizam para aqueles que escutam mas não querem ouvir:
Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu o Cristo. E seduzirão a muitos. Ouvireis falar de guerras... Levantar-se-á nação contra nação... haverá fome, peste [doenças] e grandes desgraças em diversos lugares... Então, se alguém vos disser: Eis, aqui está o Cristo! Ou: Ei-lo acolá!, não creiais. Porque se levantarão falsos cristos e falsos profetas. ...Eis que estais prevenidos. [Mateus, 24]
Meditemos...
 
FONTE: Buddha, Jesus Christ and Ancient Egyptian were Ukrainians
In PRAVDA/ENGLISH ─ publicado em 09/03/2009


Nenhum comentário:

Arquivo do blog