terça-feira, 18 de junho de 2013

A Linhagem Materna de Diana: Sangue Indiano na Casa Real Inglesa


UK. A época é a última década do século XVIII (anos 1700). Naquele tempo existiu na Índia uma mulher chamada Eliza Kewark, que era repudiada no ambiente familiar por sua por causa de sua raça. 

O pai de sua filha e dono da casa, o comerciante escocês Theodore Forbes, referia-se à mulher como empregada doméstica da casa e suposta mãe da menina, Katherine.

Depois que ficou adulta, Kateherine foi expulsa de casa, sem sua mãe, enviada para a Inglaterra. Lá, ela deu à luz Jane, que deu à luz Ruth, cuja filha também foi chamada Ruth, mãe de Frances, mãe de... Diana Spencer.

CAMINHO DA ÍNDIA


Veja a imagem ampliada na página do DAILY MAIL
DNA tests reveal Wills is actually part-Indian... but one distant cousin knew the family secret all along, publicado em 14/06/2013.

Sendo assim, isso significa que, um dia, a Grã-Bretanha, terá um monarca com sangue indiano e o Commonwealth será liderado por um rei geneticamente relacionado com  a nação mais populosa do mundo.

Porque a indiana marginalizada em próprio clã, Eliza Kewark é quinqua-avó do Príncipe William. Oficialmente, ela tem sido descrita como armênia mas Eliza Kewark era mestiça britânica-indiana. A informação foi divulgada foi anunciado em 14 de junho de 2003 pelo laboratório especializado BritainsDNA.

O Laboratório assegura o resultado das análises e informa que traçou a linhagem tendo como referência o DNA-Mitocondrial ou mtDNA - que é transmitido de mãe para filho. Ou seja, o código genético do príncipe William tem a "marca" de Eliza Kewark.

Segundo o BritainsDNA,  MtDNA de Kewark é tão raro que - até hoje, o próprio Laboratório, somente tem notícia 14 outras pessoas que o possuem dentre as quais, apenas uma era indiana; as outras eram nepalesas.

Os testes foram feitos com amostras de salva colhidas de dois membros não identificados da família real e o rastreamento mitocondrial permitiu traças sete gerações de Kewark, que nasceu por volta de 1790.

PRECONCEITO

 As informações chegaram às pautas dos midia e conhecimento público com lançamento da biografia The Real Diana, de Lady Colin Campbel. O livro conta que, embora relativamente conhecida, a história de Kewark foi eclipsada da saga familiar. Era uma figura destoante em uma família repleta de europeus descendentes da realeza.

Lady Campbel escreve: Eliza Kewark era uma nativa de pele escura que tinha vivido (maritalmente), sem o benefício do matrimônio, com Theodore Forbes, quando ele trabalhava para a East India Company. Forbes era o pai de Katherine [e de mais dois outas crianças com Kewark].

Pior que a mácula da ilegitimidade, mesmo depois de passado muito tempo, o estigma que parecia realmente insuperável era o sangue "de cor" que corria nas veias de Eliza. Se tivesse sido do conhecimento geral que a bisavó de Diana - Ruth e seus filhos eram, em parte, geneticamente indianos, a família jamais poderia ter feito bons casamentos.

A verdadeira raça (etnia) de Eliza foi mascarada na árvore genealógica da família. Ela aparece como armênia. Essa ficção foi mantida mesmo quando Diana casou-se com o Príncipe de Gales.

Mas... Os tempos mudaram. Hoje, a família de Diana, que morreu em um acidente de carro em 1997, ostenta com satisfação sua herança indiana. Mary Roach, tia materna da princesa, declarou ao The Times: Eu sempre achei que eu era, em parte, armênia mas estou deliciada em ter raízes indianas.

FONTE: Princess Diana's Hidden Ancestral Secret Revealed.
ABC NEWS/UA, publicado em 14/06/2013
[http://abcnews.go.com/News/princess-dianas-hidden-ancestral-secret-revealed/story?id=19401903#.UcCXA5ymU30]

3 comentários:

Anônimo disse...

Olha, eu até já ouvi falar nessa possível descendência armênia da princesa, porém já foi divulgado que Diana descende mesmo é de judeus pelo lado materno, NESSA CONCLUSÃO EU ACREDITO MAIS, até porque a princesa têm as feições meio judias, reparem como o nariz dela é bem característico do povo judeu. Essa informação saiu até na biografia da Tina Brown sobre a princesa. E, sinceramente, acho muito mais plausível que a família dela tenha tentado esconder a origem judaica através de uma raiz indiana ou armênia ou qualquer outra, para se proteger. Afinal, se esqueceram do extermínio cruel de um grande contingente deles pelo Nazismo de Hitler? Minha gente, os judeus são ainda o povo mais perseguido e vítima de preconceito dentre todos, muito mais do que indianos ou outro qualquer. Por ser o dito "povo de Deus", foram vítimas em vários momentos da inveja e ódio de demais nações. Na minha opinião, a princesa tem origem judia, é o que eu acho. Bjs!!

Anônimo disse...

Também já ouvi que ela descende de judeus e sinceramente os traços dela e da família dela não batem nada com dos indianos, se ela fosse mesmo descendente deles era pra ter apenas um moreninho de olho grande e escuro do cabelo mais preto que o darth vader na família dela, Kkk. Fala sério isso não passa de lorota tão sempre inventando uma história mirabolante da realeza e sempre transforma em escandalo. Vendo as foto dela e da parentada dela aí não há duvida que tem um Q dos judeu, eso aí paz galera.

Anônimo disse...

Agora eu entendo o porquê da família real ter sido contra o relacionamento da princesa com o muçulmanos Dodi, pois seu sangue judeu jamais deveria se misturar ao de um islâmico. Não acho que ela tinha descendência indiana, e se tinha, não era predominante à judaica, basta ver nos traços faciais dela e das demais mulheres mostradas imagem acima. Pesquisem sobre a fisionomia normal de um judeu e verão que tenho razão. E não é de hoje que os Windsor se auto afirmam judeus, isso vem desde a era vitoriana, inclusive eles exercem os ritos do batismo com água do rio Jordão e da circuncisão. Esta última foi até combatida por lady di, que não queria que seus filhos passassem por tal experiência. E de certa forma ela tinha razão, se a gente raciocinar da seguinte forma: ainda que possua raízes judaicas, a realeza britânica segue a igreja anglicana, então pra que exercer práticas que não pertencem ao anglicanismo? Se é pra ser judeu ou seguir o Judaísmo que seja por inteiro, e não por partes, talvez a princesa refletiu dessa maneira. Além do que a história dos reais abrange vastos escândalos, inclusive os vividos por Diana, o que não é nada compatível com quem segue o verdadeiro judaísmo de Deus. É isso aí, valeu.

Arquivo do blog