quinta-feira, 28 de abril de 2011

Os Escorpiões Gigantes



Paleontologia – Análises realizadas no fóssil de um escorpião gigante de 417 milhões de anos de antiguidade, uma espécie extinta (graças a Deus!) revelou vestígios de uma subtância chamada quitina no exoesqueleto da criatura. A idade da quitina encontrada, é centenas de milhões de anos mais velha do que era considerado o máximo possível em termos de conservação deste material.

A descoberta foi feita por uma equipe de cientistas liderada por George Cody, da Instituição Carnegie de Washington. As análises foram conduzidas nas instalações da ALS (Advanced Light Source) no Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, na Califórnia

O trabalho desses peritos contraria a idéia clássica de que o material orgânico não pode se manter por tanto tempo porque seria decomposto por microorganismos. Todavia, os cientistas encontraram uma malha fibrosa de quitina no espécime. A quitina é um polissacarídeo rico em nitrogênio.

Algumas espécies destes enormes animais alcançavam mais de dois metros de comprimento. A quitina também foi encontrada em fósseis mais recentes, como em um escorpião de 310 milhões de anis e outros mais, com 25 milhões de anos.

O tamanho destes escorpiões gigantes é uma demonstração assustadora que, no passado, aracnídeos, insetos, crustáceos e outras criaturas eram muito maiores do que hoje. Sabe-se que os euriptérios são antepassados aquáticos (e extintos) dos escorpiões terrestres e, possivelmente, de todos os aracnídeos atuais.

FONTE: Detectan vestigios de quitina en el fósil de un aterrador escorpión gigante.
IN NCYT, publicado in 04/11/2011
[http://noticiasdelaciencia.com/not/862/detectan_vestigios_de_quitina_en_el_fosil_de_un_aterrador_escorpion_gigante/]


Nenhum comentário:

Arquivo do blog