quarta-feira, 15 de abril de 2009

Druidas Canibais


Os restos mortais do Homem de Lindow

Inglaterra: Em 11 agosto de 1984, na localidade de Lindow Moss ─ Mobberley, noroeste da Inglaterra, sepultado em um pântano, foi encontrado o corpo razoavelmente bem preservado de um homem. As análises mostraram que ele viveu entre os anos 60 e 90 d.C., em um estágio cultural correspondente à da Idade do Bronze e tinha cerca de 20 ano squando morreu. O exemplar foi chamado de Lindow Man e, desde então, tem sido objeto de studos específicos e comparados.

Desde o início ficou bem estabelecido que o Lindow Man tinha sofrido morte violenta: "Sua cabeça foi esmagada, o pescoço, estrangulado com uma corda, ao se partir, foi cortado produzindo um fluxo intenso de sangue" ─ conforme explicou a arqueóloga Miranda Aldhouse-Grenn, especialista em Druidas da Cardiffe University, País de Gales.

Outra evidência foi achada dentro do corpo, nos intestinos: pólen de visco [Viscum album ─ visgo ou agárico, gui em francês], planta sagrada para os Druidas e usada em refeições e/ou bebidas oferecidas a participantes de rituais. O agárico, a depender de como é processado e das doses ministradas, pode ser um antídoto contra envenenamentos ou, ao contrário, um poderoso veneno.[Os romanos escreveram que os Druidas colhiam o visgo das árvores usando a famosa pequena foice de ouro].

Indícios, como unhas bem tratadas, cabelos e barba bem cortados, sugeriam que ele ocupava uma posição social elevada; que podia, inclusive, ter sido um Druida. Esses sinais fundamentaram a conclusão de que Lindow Man tinha sido vítima de um ritual de sacrifício. Lindow Man foi executado [ou sacrificado] justamente na época em que os romanos lançavam-se em um novo ataque à ilha da Grã-Bretanha, que já consideravam parte do reino cujo domínio, soberania, precisava, apenas, ser consolidado.

Nesta situação, os Druidas consideravam absolutamente necessário realizar um sacrifíco capaz de persuadir os deuses a deter o avanço romano. Eles tinham de oferecer uma vítima, um sangue precioso. Por isso, escolheram um homem nobre. Sobre isso, o próprio Julio Cesar escreveu: "Em tempos de grande perigo, os Celtas acreditavam que não menos que a vida de um homem deveria ser oferecida para garantir os favores dos deuses".

Essas descobertas confirmam informações da crônica romana que sempre foram encaradas com suspeição pelos estudiosos, como "propaganda de guerra". Registraram os romanos a selvageria dos Druídas; Druídas que no imaginário romântico popular eram vistos como velhinhos essencialmente bondosos, conhecedores dos segredos mágicos da natureza. O fato porém, é que os legionários e generais que voltaram da primeira incursão à Bretanha, no século I d.C., contaram histórias macabras sobre os sacerdotes celtas.

Julio Cesar, que lá esteve em 55 d.C., conta que os Celtas "acreditavam que os deuses se compraziam com a morte de prisioneiros e criminosos mas se os 'objetos de sacrifício' acabassem, eles sacrifirariam um inocente". O historiador Plínio, o Velho, também do primeiro século d.C., diz mais: que os celtas praticavam o canibalismo ritual, comendo a carne de seus inimigos a fim de obter força fisica e espiritual.

Outra terrível indicação de sacrifícios entre os Celtas, foi encontrada na caverna de Alveston, Inglaterra. Em 2000, foram descobertos esqueletos pertencentes a mais de 150 pessoas, datando, ainda uma vez, do período da conquista romana. É possível que os druídas tenham assassinado essa pequena multidão em um só evento, uma só cerimônia. Um recurso extremo [irracional e primitivo] para deter o inimigo por meio de forças sobrenaturais.

A invasão romana pode ter desencadeado um processo de desespero que levou os Druidas, guias daquele povo, a intensificar os sacriícios como medida extrema para evitar a vitória dos invasores. O arqueólogo Mark Horton, da University of Bristol, diz que a pilha de corpos sugere uma resitência selvagem aos romanos, no plano mundano das batalhas, enfrentamento corpo a corpo mas, também, um radicalprocedimento religioso que produziu essas numerosas
mortes rituais.

Todavia, a chacina de Averton não se resume ao mero sacrifíco, à morte das vítimas. Os ossos daquela caverna mostram sinais de canibalismo. Um fêmur humano foi quebrado de maneira característica, já conhecida dos antropólogos: fratura típica para propiciar a extração dos nutrientes, do tutano. Ao longo da história dos Celtas, pode-se dizer em favor dos Druídas que estas práticas foram raras, um recurso mágico utilizado em caso extremo.

FONTE: OWEN, James. Druids Committed Human Sacrifice, Cannibalism?
IN National Geographic ─ publicado em 20/03/2009




Nenhum comentário:

Arquivo do blog