sábado, 20 de novembro de 2010

Magia Ruim: Os Feiticeiros Predadores de Homens e Animais


No mundo Antigo, uma coruja era símbolo de Sabedoria. Esta ave era companheira e atributo de Palas Atena, divindade grega do Saber. O Rei Artur pôde vêr os espaços invisíveis da realidade graças à sua coruja. Uma coruja guardava o palácio do Minotauro e outra, salvou a vida do jovem Gengis Khan.

Mas, hoje, as corujas precisam de quem as salve... da extinção na Índia. Místicas, frequentemente associadas à magia e aos magos, geralmente vistas como animais de estimação de bruxos e feiticeiros, as corujas são, muito mais frequentemente ainda, vítimas dos feiticeiros indianos. São caçadas e mortas pelos bruxos que usam suas penas, ossos, carne e intestinos para fazer rituais supostamente mágicos.


Na ÍNDIA da superpopulação super-ignorante, a caça às corujas, impulsionada pela resistência e/ou retorno de péssimas crenças, já se reflete em danos irreparáveis ao ecossistema. Especialmente para o Ecossistema ocupado pelos humanos porque a extinção das corujas resulta na proliferação desenfreada dos ratos.

As corujas eram os predadores naturais dos ratos em uma cadeia alimentar que permeia a fauna de toda a Índia. Uma coruja elimina de 5 a 20 ratos por noite. Sem elas, elas ratinhos torna-se-ão incômodos ratões...

Com a ausência das corujas, os ratos que sobreviverão, serão famintos destruidores de qualquer coisa que lhes sirva de alimento. Destruirão, por exemplo, as mudas e sementes de plantas da floresta, ameaçando, portanto, a floresta. Mas a floresta não poderá sustentar os bandos muito tempo. 

Os roedores, com certeza, logo descobrirão melhores pastos no campos dos homens, os campos de arroz. Arroz: o alimento básico e ainda insuficiente para mais de um bilhão de indianos. Além disso, os roedores espalham doenças infecciosas entre as quais a pior e mais conhecida é a peste bubônica

Evidentemente, existe uma lei contra a prática. A Lei de Conservação da Natureza da Índia proíbe a caça de corujas no país mas o fato é as corujas estão à venda no mercado negro.


CRENÇAS – Os indianos acreditam que as corujas estão ligadas às almas dos mortos. Eles temem as corujas vivas, mas não se importam com as mortas. Uma coruja morta, entre outras coisas, pode servir como guia para o submundo, o Além. As penas são usadas como amuleto de proteger crianças e animais das ações de maus espíritos. Partes de seus corpos são usados na medicina popular.

Crenças outras sobre corujas existem em muitos outros países, e não somente asiáticos. Em muitos dialetos africanos coruja é sinônimo de bruxa e a ave é tida por lá como símbolo do mal. Ainda na Índia, as corujas são usadas em espetáculos de rua, servem de isca para apanhar aves predadores maiores, suas penas e garras são usadas fabricação de chapéus.

Mas as corujas não as únicas criaturas sacrificadas em rituais de feitiçaria. Muitas receitas de poções mágicas incluem, por exemplo, sangue de morcegos e ratos, pele de gato e oórgãosinternos de vários animais.


ÁFRICA – Todavia, o horror maior está reservado, ainda, ao sacrifício de seres humanos em rituais de bruxaria. Essa tradição macabra ainda é praticada particularmente em países Africanos. Na África do Sul existe um movimento de medicina alternativa que assumidamente utiliza partes de corpos e oórgãosinternos de mortos na produção de poções supostamente curativas de males físicos e/ou espirituais.

Por exemplo, um mago de Limpopo, África do Sul usa pó de ossos de mortos para tratar doenças mentais. Segundo a Interpol, partes de cadáveres podem adquiridos facilmente nos mercados negros dos países africanos, na Ásia e mesmo na Europa.

Em geral, a mercadoria é coletada por cavadores (violadores) de sepulturas. Na Indonésia, em incidente recente, um Sumanto (nativo canibal), 30 anos, foi condenado a cinco anos por violar o túmulo e comer partes do corpo de uma vizinha, uma senhora de 80 anos que falecera morta há pouco tempo. O criminoso disse a polícia que comeu as partes para obter poderes sobrenaturais. Segundo a crença, quem come carne de outro ser humano ganha as melhores qualidades da presa: força, coragem, etc..

Entretanto, há casos em que a obtenção de matéria-prima exige algo mais que uma escavação. Muitos feiticeiros e seus assistentes recorrem a assassinatos. Em 1989, no Zimbabwe, xamãs assassinaram duas meninas: cortaram partes de seus intestinos, língua e genitais para fazer amuletos de boa sorte. Já os amuletos que demandam uso de pele humana exigem que as vítimas estejam vivas na hora da coleta.


ALBINOS – Na Tanzânia, Martin Kalunga, 25 anos e Nico Benson, 31 anos, sequestraram um garoto de 9 anos, arrancaram sua pele e depois mataram-no. O produto foi vendido a um feiticeiro por 30 xelins (18 dólares).

A Tanzânia tem mais albinos que qualquer outro país africano. Para os bruxos, sua pele é extremamente valiosa enquanto eles mesmos, os albinos, segundo a crença, são portadores de má sorte. São tratados como párias, indesejados. Vivos, são discriminados nas escolas e postos de trabalho. 

Mortos, porém, são apreciados. De acordo com as tradições, a pele dos albinos protege contra forças malignas, propicia encontrar tesouros e agrega boa sorte para os pescadores. Tolice. Se essas peles e entranhas fossem tão afortunantes assim seus donos estariam vivos. Meditemos...

FONTE: EVSEEV, Anton e SHLIONSKAYA, Irina. Magic rituals lead to ecological disaster [trad. L. Cabus]
IN PRAVDA English – publicado em 17/11/2010
[http://english.pravda.ru/science/mysteries/17-11-2010/115813-magic_ritual-0/]

Um comentário:

enyta disse...

Deixa a peste bubônica tomar conta da India e aí quero ver como irão explicar a "má sorte", já que exterminaram todas as corujas (vão inventar outro animal maligno ou uma característica física humana, como o albinismo, por exemplo).
E dizem que tudo evolui...

Arquivo do blog