segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Didymo - As criaturas verdes que estão invadindo os rios do mundo




ECOLOGIA. MUNDO. Tudo começou com manchas de limo sobre as rochas, no rio Heber, no Canadá. Um ano depois, as manchas transformaram-se em um muco, um organismo gigante que, hoje, espalha-se, como um tapete em águas fluviais de todo o mundo. Em lugares tão diferentes como América do Sul, Europa e Austrália.

Esses 'tapetes são 'tecidos por uma alga microscópica, uma 'diatomácea - a Didymosphenia geminata ou Didymo. A culpa pela expansão mundial das Didymo é atribuída à ação do Homem, que as teria transportado de rio em rio em barcos e equipamentos de pesca.

As 'redes de Didymo têm dado muito trabalho para todos que dependem dos cursos d'água em suas atividades. As ramas tornam impossível a navegação obrigando a periódicas e custosas operações de limpeza.

Os cientistas desconfiam que a expansão dessas diatomáceas não são o problema em si mas, um sintoma de grandes mudanças que podem estar ocorrendo nas bacias hidrográficas em todo o mundo.



Normalmente, as diatomáceas e outras algas proliferam em águas ricas em nutrientes. Nesse ambiente, proliferam de forma explosiva mas, também morrem massivamente. Sua putrefação consome o oxigênio na água sufocando insetos, crustáceos e peixes locais. Curiosamente, nada disso se aplica a Didymo.

As algas e, especialmente, seus tentáculos fibrosos, estão crescendo em águas pobres em nutrientes. Diante disso, os cientistas estão desorientados e não explicam a expansão deste organismo. A Didymosphenia geminata existe há Eras e jamais foi problema.

Os pesquisadores, Brad Taylor, do Dartmouth College - New Hampshire, EUA e Max Bothwell, da Estação Biológica do Pacífico Canadense, recentemente (2014), em estudo na revista BioScience, mostram que evidências fósseis comprovam a antiguidade da Didymo e sua presença em todo o mundo, exceto África, Antártida e Austrália. Todavia, não há registro de uma expansão nesses parâmetros, a ponto de interditar a navegação nos rios.

Mas, se a Didymo afeta interesse humanos, os peixes e outras criaturas que habitam os rios não têm do que se queixar. A presença da Didymo, que não é tóxica, atrai miríades de pequenos insetos, como mosquitos e afasta as espécies maiores.

Ruim para os Homens, não altera nada para os peixes. De certo modo, a Didymo protege os peixes da predação humana. Para a Natureza, a proliferação dessas algas apenas muda a aparência de rios e córregos, protegendo águas e seres vivos daqueles que são seus verdadeiros inimigos: Nós.

FONTE: El moco verde que está invadiendo los ríos del mundo
24 HORAS/CHILE/BBC, 10/10/2014
[http://www.24horas.cl/noticiasbbc/el-moco-verde-que-esta-invadiendo-los-rios-del-mundo-1448992]

Nenhum comentário:

Arquivo do blog