domingo, 5 de abril de 2015

Ietis - Um Pouco de História

 
Khumjung Lamasery - monge nepalês segurando um suposto couro cabeludo yeti
Picture: REX/Izzard/Associated Newspapers


Este escalpo, em especial, é alvo de polêmica. O objeto foi fotografado muitas vezes. Em 1953 o pesquisador e montanhista neozelandês Edmund Hillary (1919-2008, imagens abaixo), em expedição ao Nepal, teve acesso à peça no Khumjung Lamastério. 

Na época e no local, integrantes da expedição estimaram a idade do escalpo em 350 anos. Hillary conseguiu  dos monges autorização para levar a relíquia para ser examinada no Ocidente. 

Em 1960, especialistas do Museu Field, Chicago - bem como outras autoridades, europeias, afirmaram que o escalpo era falso e confeccionado com pelo de antílope. Todavia, a controvérsia sobre o Ieti de Hillary permanece viva até hoje posto que, na ocasião daqueles exames não havia tecnologia de reconhecimento de DNA. 




Edmund Hillary - 1953, Nepal


Edmund Hillary - Anos de 1960


+ IETIS & A Lenda do Monge das Luvas Verdes 
+ YETI: A HISTÓRIA DE ZANA
+ IETIS, O HOMEM-MACACO DE STALIN & A INCONFESSÁVEL CIÊNCIA GENÉTICA
+ ASPECTOS SOBRENATURAIS DO MITO DO PÉ GRANDE 

CRIATURAS MÍTICAS. IETIS. HISTÓRIA. Os primeiros relatos sobre Yetis (ou Ietis) aparecem, em registros escritos, são datados em séculos anteriores ao século XIX, como ocorre, por exemplo, na literatura produzida por monges budistas de mosteiros localizados na cordilheira dos Himalaias (como tibetanos). 

Esses monges, não raro ilustraram suas anotações com representações da criatura, desenhos que, invariavelmente, mostram um animal semelhante a um grande macaco. Alguns assinalam que estes seres emitem um som sibilante.

Em 1832, um explorador que percorrera regiões remotas do Nepal publicou trechos de seu diário de viagens - no Journal of the Asiatic Society - de Bengala - Índia, descrevendo o avistamento de um Ieti - bípede, coberto por longos pelos escuros. Apesar do grande porte, o 'animal fugiu; parecia amedrontado. 


O ABOMINÁVEL HOMEM DAS NEVES - Essa expressão foi popularizada, referindo-se ao Ieti, em 1921 - depois da publicação do livro Mount Everest, The Reconnaissance, escrito pelo tenente-coronel Charles Howard-Bury. 

O interesse pela criatura aumentou e turistas começaram a fazer suas próprias viagens exploratórias ás montanhas Himalaias na esperança de capturar um espécime. Muitos, relataram ter vistos estranhas pegadas e outras marcas, na neve e na vegetação local.

 
Pegadas de Ieti - fotografadas pelo alpinista  John Angelo Jackson durante a Snowman Expedition, iniciativa do jornal britânico Daily Mail, 1954.
Picture: John Jackson/Daily Mail/Rex


Em 1954, o jornal britânico Daily Mail organizou sua própria expedição - a Snowman Expedition - com destino ao pico do Everest. Durante a exploração, o líder da equipe, o montanhista John Angelo Jackson, fotografou - na região (entre o

Everest e o Kanchenjunga, terceira montanha mais alta do mundo, com 8 599 m de altitude - cordilheira do Himalaia) - pinturas antigas, retratando Ietis e grandes pegadas na neve. Na ocasião, também foram encontradas amostras de pelo que, acreditava-se, pertenciam a Ietis.

Em 1970, o alpinista britânico - Don Whillians, afirmou ter visto um destes seres enquanto escalava o Annapurna (também pertencente à cordilheira Himalaia, décima mais alta montanha do mundo).

Além disso, no período de reconhecimento da região, ele ouviu estranhos gritos que o guia da expedição atribuiu aos Ietis. Na mesma noite, Whillians viu um vulto escuro rondando o acampamento.


 

Em 2007, patrocinado por um canal de TV norte-americano para o programa/série Destination Truth, o explorador Josh Gates (acima), em frente ao hotel onde se hospedou por uma semana, em Katmandu (Nepal) - mostra uma pegada de Ieti 'colhida às margens do rio Manju, região de Khumbu, a caminho do Pico do Everest, a uma altitude de 2,850 metros. Picture: NARENDRA SHRESTHA/EPA



A foto acima, uma das mais conhecidas/divulgadas da figura do Ieti, é um registro da existência do primo norte-americano da criatura, ali chamado Bigfoot (Pé Grande) ou, ainda, Sasquatch. A iagem foi obtida em 1967 pelo ex-peão de rodeios Roger Patterson, região a nordeste de Eureka - California. Picture: Bettmann/CORBIS

Em 2013, um cientista (o geneticista Brian Sykes) afirmou que a Ieti poderia ser um parente distante do urso polar. Um espécime que, acreditava-se estar extinto há 40 mil anos.

+ IETIS & A Lenda do Monge das Luvas Verdes 
+ YETI: A HISTÓRIA DE ZANA
+ IETIS, O HOMEM-MACACO DE STALIN & A INCONFESSÁVEL CIÊNCIA GENÉTICA
+ ASPECTOS SOBRENATURAIS DO MITO DO PÉ GRANDE 


FONTES
NEWTON, Jennifer e AKBAR, Jay. Was 19th Century apewoman a yeti? 6ft 6in Russian serf who could outrun a horse was 'not human', according to DNA tests
DAILY MAIL/UK, 04/04/2015
[http://www.dailymail.co.uk/news/article-3025466/Was-19th-Century-Siberian-apewoman-yeti-6ft-6in-Russian-serf-outrun-horse-not-human-according-DNA-tests.html]
The riddle of the yeti may have finally been solved
THE TELEGRAPH/UK, Abril de 2015
[http://www.telegraph.co.uk/news/picturegalleries/howaboutthat/10385646/The-riddle-of-the-yeti-may-have-finally-been-solved.html?frame=2705189]

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...