segunda-feira, 18 de março de 2013

Os Estranhos Casos dos Pênis Roubados




REPÚBLICA CENTRO AFRICANA/MUNDO. Aconteceu em pleno século XXI, na República Centro Africana (ex-colônia equatorial francesa de Ubangui-Chari), país localizado entre o Sudão do Sul, a leste e Camarões, a oeste. 

O fato foi documentado pela antropóloga Louisa Lombard mas o estranho fenômeno tem registros em outras partes do mundo, antigos e mais recentes, que remontam ao século XV e mesmo aos anos de 1960. 

Em março de 2010, Lombard chegou a uma pequena cidade daquele país, um lugar remoto chamado Tiringoulou, na época, com uma população de cerca de 2 mil habitantes. 

Geralmente efusivamente hospitaleira, na ocasião, a antropóloga notou que seus moradores mostravam-se retraídos, desconfiados, e logo descobriu o motivo: no dia anterior à sua chegava havia ocorrido um assustador episódio, que a cultura local associa à feitiçaria: o "roubo de pênis". 

Segundo as vítimas, dois homens, e testemunhas, o responsável teria sido um um viajante, de passagem, um comerciante sudanês que guiava um caminhão. O estranho dirigiu-se a uma barraca do mercado onde pediu uma xícara de chá. Na hora de pagar, depois de entregar o dinheiro, ele apertou a mão do vendedor. Imediatamente, o comerciante sentiu um formigamento, como se uma corrente elétrica estivesse atravessando seu corpo. 

A seguir, percebeu que seu pênis havia encolhido para o tamanho do ógão de um bebê. O homem fez um escândalo, o quê atraiu uma multidão. Na confusão que se formou, o "feiticeiro", fez mais uma vítima. Começou, então, a caça ao "bruxo". 

O caso foi entregue à membros do grupo rebelde armado que governa o país que, logrando prender o viajante, submeteu-o a severo interrogatório. Representantes dos milicianos afirmaram que tomaram a iniciativa da captura para a própria proteção do acusado posto que, se tivessem deixado o caso por conta da população de Tiringoulou, se apanhado por populares, o sujeito sofreria morte horrenda, agarrado pelas mulheres que lhe teriam dilacerado o corpo do acusado arrancando seus membros um a um. 

Porém, a "proteção" revelou-se duvidosa e o réu sem julgamento foi executado à bala no mesmo dia de sua prisão. Essa versão, todavia, não foi declarada pelos milicianos que, a fim de evitar averiguações de organizações defensoras dos direitos humanos ofereceram uma versão diferente dos acontecimentos: o "ladrão de pênis" tinha "desaparecido" misteriosamente de sua cela... 

Atualmente, na África, segundo os estudiosos do tema (bizarro), os casos de "roubo de pênis" concentram-se, principalmente, nas grandes cidades, como Lagos - na Nigéria ou em Douala, República dos Camarões. 

Os pesquisadores têm considerado esses episódios como um fenômeno urbano e atribuem sua ocorrência a um estado de ansiedade e temor coletivo de uma população que, muito rapidamente, deixou o ambiente familiar das pequenas aldeias para enfrentar as multidões de desconhecidos das metrópoles (uma explicação que não explica nada). 

O roubo de genitais não é uma extravagância exclusiva da cultura africana; absolutamente, não! Na Europa Central, durante os séculos XV e XVI (anos de 1400 e 1500), em 1486, o Malleus Maleficarum, livro que destinado a instruir populares e religiosos envolvidos na Santa Inquisição (em sua tarefa de caça às bruxas) - sobre a bruxaria, seus praticantes e práticas, inclui uma referência exatamente a esse tipo de crime, atribuindo a feiticeiros e feiticeiras a capacidade de roubar os membros sexuais masculinos para mais de uma finalidade, desde a vingança, pura e simples, até a utilização do órgão em encantamentos nos quais, o "ingrediente" era ocultado, mantido em ninhos de pássaros. 

Mais recentemente, em 1967, em Cingapura, na China, os hospitais foram mobilizados por um surto de koro - nome dado pelos chineses à crença de que o pênis pode ser retraído para dentro do corpo de seu possuidor sem causas clínicas que os médicos possam identificar.  O pânico instalou-se entre os cidadãos e houve rumores de que carnede porco envenenada seria a causa do fenômeno. 

Casos semelhantes, ocorridos em Guangdong (também na China) atribuem esse tipo de roubo ao a uma espécie de espírito maligno que habita (ou tomam forma de) corpos de raposas e aparecem aos homens como a sedutora Hu Li, ladra especializada nesse tipo de delito que atrai suas vítimas para passeios em lugares ermos onde consuma seu hediondo crime. 

Na Nigéria, "roubos de pênis" foram registrados em 1990. A metodologia dos feiticeios (ou feiticeiras) africanos é sempre a mesma: um toque inesperado ou indesejado em qualquer parte do corpo da vítima. Em alguns casos os pênis foram aparentemente devolvidos mas os ressrcidos reclamaram que o órgão devolvido não era o original mas, fora substituído por um pênis fantasma ou pertencente a outra pessoa. 

LINK RELACIONADO
Os Absurdos Roubos de Semen em Zimbabwe
http://sofadasala-noticias.blogspot.com.br/2012/03/os-absurdos-roubos-de-semen-em-zimbabwe.html

FONTES
LOMBARD, Louisa. Penis Snatching on the Rise - Africa’s Genital-Stealing Crime Wave Hits the Countryside.
ALTERNET, publicado em 14/03/2013.
[http://www.alternet.org/world/penis-snatching-rise-africas-genital- stealing-crime-wave-hits-countryside]
Koro: A Natural History of Penis Panics.
HAITIWEBS, publicado em 04/02/2008.
[http://www.haitiwebs.com/showthread.php?t=48576]

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...