quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pelo Decoro das Múmias!!!



Mil anos antes de Cristo. Ela era cantora em um templo no complexo de Karnak/Tebas dedicado ao deus Amon. A múmia de Asru tem cerca de três mil anos de idade. Ela foi doada ao Manchester Museum em 1845.


UK – No Reino Unido, organizações representativas dos interesses pagãos, como a Honnouring The Ancient DeadHAD, algo como "Honra aos Ancestrais", depois de pressionar vários museus britânicos, obteve o direito a mais respeito às múmias expostas nas instituições. Os defensores da moral dos antigos pagãos exigiram e obtiveram o fim das múmias nuas nos aquários dos salões. [E se fosse a sua avó?, meditam os ancestralistas...].

Cerca de 20 museus, incluindo o Bristol City Museum and Art Gallery, o Royal Cornwall Museus eo Museum of London estão reformulando suas políticas!? a respeito dessa delicada questão: como os restos humanos serão exibidos. No Manchester Museum, depois da solicitação da HAD, uma peça, o crânio do Homem de Wosley, que remonta à Idade do Ferro, em torno de 120 d.C, foi removido.




The skull of Worsly Man, o Crânio de Worsly, encontrado no pântano de Worsley, em 1958. As análises indicam possível vítima de sacrifício, no segundo século depois de Cristo, ainda na Idade do Ferro. Ele foi estrangulado e sua garganta, cortada. Ainda no Manchester Museum, a múmia despida de Asru, a múmia de Khary e uma terceira, de criança, as três foram cobertas depois de um protesto público.


Na Galeria Egito do Bristol City Museum, a exposição das múmias e despidas egípicias já não usa sarcófagos abertos; mas meio-sarcófago mostrando a peça da cintura para cima. Em Truro [cidade da Cornualha, Reino Unido], o material gráfico do Royal Cornwall Museum, de publicidade, impresso ou online, não mostra mais nenhuma imagem de restos mortais.

A questão sobre o respeito aos direitos das múmias ao decoro, o pudor, tem sido debatida desde os anos de 1970. No livro Contesting Human Remains in Museum Collections [algo como Questionando os Restos Humanos nasa Coleções dos Museus] a socióloga e professora do London School of Economics an Political Science, Drª Tiffany Jenkins, fala sobre o tema: a política a ser adotada em relação à exposição de relíquias humanas, cadáveres, esqueletos etc..

Na segunda metade do século passado, esse movimento de respeito aos restos mortais de ancestrais das mais diferentes nações, povos, concentrava-se especialmente nas reclamações de grupos indígenas australianos, norte-americanos e canadenses. Agora, também os herdeiros dos pagãos europeus se manifestam através de organizações como a Honnouring The Ancient Dead – HAD, criada em 2004, que defende dignidade e decoro para os restos-mortais dos pré-cristãos das Ilhas Britânicas.


MÚMIA DE ASRU


Jenkins comenta os pudores atuais como um fenômeno novo. Porque estes recentes pudores não são, neste momento, manifestaçãoou especial preocupação de qualquer cultura ou grupo étnico que se sinta incomodado. A polêmica está dentro dos gabinetes da museologia. São os acadêmicos que estão ocupados com a ética de todo o processo de manipulação, visualização, armazenamento de restos humanos arqueológicos. No Museum of London, um esqueleto de menino com raquitismo foi retirado do salão.

Ocorre que essas peças, justamente, estão entre as mais populares em museus de todo o mundo. O despudor das exposições que começou por constranger certos grupos religiosos passou a melindrar até mesmo funcionários dos museus. A HAD, e outras instituições, alegam quer é preciso proporcionar privacidade para múmias [?!]. Em princípio, esqueletos e múmias não poderão estar em exposição aberta. Estes "defuntos-defuntíssimos" têm o direito de serem acomodados de modo mais reservado. Seria, então, necessário, criar instalações adequadas nos mudeus, espécie de câmara de cadáveres e assemelhados com advertência na porta: DESACONSELHÁVEL PARA ESTÔMAGOS FRACOS e/ou ainda: PROIBIDO FAZER PIADAS.

O professor Piotr Bienkowski, que foi vice-diretor Manchester Museum durante seis anos, até 2009, critica essas medidas de pretensa moralização das múmias, esqueletos e outras partes de corpos humanos que pertencem ao acervo da ciência da arqueologia-antropológica. Ele mesmo enfrentou essa questão experimentando diferentes modos de exposição: coberto, parcialmente coberto etc..

Porém os visitantes do Museu desaprovaram a providência. Pesquisa recente, colhendo a opinião de mil entrevistados, constatou que 90% preferem as múmias, esqueletos e partes de corpos pelados, enfaixados, despelados ou horrendos mesmo se for o caso desde as peças tenham sido encontradas naquelas condições [ora essa!]. Sobre as medidas moralizantes, Bienkowski comentou: [Isso] ...vai penalizar milhões d epessoas que gostam de aprender com a exibição de restos mortais...


FONTES:
Museums Cover Up Mummies to Placate Pagans.
IN AOL News – publicado em 02/11/2010
[http://www.aolnews.com/weird-news/article/museums-cover-up-mummies-after-pressure-from-pagans/19699107]
HARRIS, Sarah. Hide your mummies! Museum displays of human remains are covered up for fear of offending pagans.
IN Daily Mail, UK – publicado em 01/11/2010
[http://www.dailymail.co.uk/news/article-1323443/Museum-displays-human-remains-covered-fear-offending-pagans.html]



Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...